quarta-feira, 19 de maio de 2010

Que a justiça seja feita.

A Justiça de Senador Canedo (GO), a 33 km de Goiânia, condenou ontem a proprietária e diretora de uma escola da cidade Marli Coraci de Souza Santos, 34 anos, a 15 anos de prisão por estupro de um aluno de 3 anos de idade em dezembro do ano passado. A criança, do sexo masculino, teria sido retirada da escola por ela e estuprada pelo pintor Arnaldo Nogueira de Oliveira Júnior, 36 anos, que estava junto deles e morava na unidade de ensino há um mês.

O promotor de Justiça Marcelo Faria de Costa Lima, da 3ª Promotoria de Senador Canedo, responsável pela denúncia, disse que o Ministério Público está de acordo com a sentença, mas lamenta que Arnaldo esteja foragido. O casal havia sido preso em 18 de dezembro e solto dias depois. "Recorremos da soltura, mas quando a Justiça mandou prender de novo, em janeiro, só localizaram a diretora. O pintor já estava no mundo."

O casal responde a um outro processo pelo mesmo crime. No começo do ano, a mãe de um outro menino de 3 anos de idade que estudava na mesma escola denunciou os dois ao Ministério Público.

Segundo a denúncia, a diretora havia conhecido Arnaldo pela internet em novembro e o contratou para alguns serviços na escola. Como ele não era de Senador Canedo, passou a morar na escola. Marli alega que costumava sair com as crianças como forma de recreação e não imaginava que o pintor era pedófilo.

"Não ficou claro se ela participou ou não do abuso, nem qual era a relação exata dela com o pintor, mas a diretora era a pessoa responsável por zelar pela segurança das crianças. Ela criou as circunstâncias para que o pintor pudesse cometer o abuso", disse o promotor.

A diretora está presa desde janeiro na Casa de Prisão Provisória (CPP). Por ser um crime hediondo, ela terá de cumprir pelo menos dois quintos da pena para ter direito à progressão.

terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário