terça-feira, 13 de abril de 2010

ELEIÇÕES 2010

Iris e Marconi estão quase prontos

Candidatura de Vanderlan ainda não conseguiu se inserir para valer no processo sucessório, praticamente dividido entre as forças do peemedebista e do tucano

AFON­SO LO­PES

Projeto eleitoral de Iris está adiantado, precisando apenas resolver bobagens como a da discussão da chapa pura
Pas­sa­do o se­gun­do gran­­de mo­men­to das elei­ções des­te ano, o do pra­zo fi­nal das de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­ções — o pri­mei­ro foi em ou­tu­bro do ano pas­sa­do, da­ta das fi­li­a­ções par­ti­dá­ri­as —, ho­ra de fa­zer o ba­lan­ço da si­tu­a­ção. Iris Re­zen­de e Mar­co­ni Pe­ril­lo se en­con­tram em po­si­ção avan­ça­da, com qua­se tu­do já pre­pa­ra­do pa­ra a che­ga­da das con­ven­ções par­ti­dá­ri­as, em ju­nho, eta­pa de­fi­ni­ti­va pa­ra a ocu­pa­ção das ru­as pe­las cam­pa­nhas. Van­der­lan Vi­ei­ra, por sua vez, ain­da vê sua can­di­da­tu­ra na fa­se em­brio­ná­ria. E não hou­ve qual­quer evo­lu­ção prá­ti­ca des­de que seu no­me foi lan­ça­do.

É cla­ro que es­sa si­tu­a­ção po­de não ser de­fi­ni­ti­va, mas é cla­ro tam­bém que não é na­da con­for­tá­vel. Pe­lo ta­ma­nho do pas­so que ele deu no fi­nal do mês pas­sa­do, aban­do­nan­do no iní­cio o se­gun­do man­da­to ele­ti­vo que con­quis­tou, o de pre­fei­to da ci­da­de de Se­na­dor Ca­ne­do, tal­vez ele es­pe­ras­se mui­to mais ação efe­ti­va do que tem vis­to. Por en­quan­to, Van­der­lan não te­ve uma úni­ca boa no­tí­cia nes­te pe­rí­o­do. Na­da de na­da. A não ser que se con­si­de­re uma vi­si­ta ao de­pu­ta­do fe­de­ral e pre­si­den­te na­ci­o­nal do PP, o ca­ri­o­ca Fran­cis­co Dor­nel­les, al­go a ser co­me­mo­ra­do.

Já o ex-pre­fei­to Iris Re­zen­de se vê no meio de fo­go ami­go, com se­to­res con­ser­va­do­res do PMDB dis­cu­tin­do a com­po­si­ção das de­mais po­si­ções den­tro de sua cha­pa ma­jo­ri­tá­ria. É uma bo­ba­gem sem ta­ma­nho. Pri­mei­ro, por­que is­so só se­pa­ra e não une. Se­gun­do, pe­lo mais ób­vio mo­ti­vo: não se­rá es­te ou aque­le se­tor par­ti­dá­rio que de­fi­ni­rá es­se ti­po de coi­sa. Iris não tem so­men­te a úl­ti­ma pa­la­vra so­bre seus com­pa­nhei­ros de cha­pa, tem a pa­la­vra. O res­to é ti­ti­ti de co­ma­dres e com­pa­dres.

Marconi também está com a casa arrumada, de olho no tempo de TV do DEM?para ficar ainda mais competitivo
Em li­nhas ge­ra­is, Iris es­tá pron­to pa­ra a ca­mi­nha­da em di­re­ção às con­ven­ções par­ti­dá­ri­as. Ini­ci­al­men­te, ele vi­ve si­tu­a­ção pri­vi­le­gi­a­da. Se não so­mar mais ne­nhum gran­de par­ti­do pa­ra sua ali­an­ça, ain­da as­sim ele es­ta­rá em con­di­ções de dis­pu­tar pra va­ler o Pa­lá­cio das Es­me­ral­das. Aqui­lo que ele tem ho­je, PMDB e PT, for­ma uma fren­te po­de­ro­sa, que so­ma um óti­mo tem­po de TV e rá­dio. Ou se­ja, se con­quis­tar mais al­gu­ma coi­sa só ten­de a au­men­tar o lu­cro.

A si­tu­a­ção do se­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo é me­lhor ain­da. Ele tem o con­tro­le to­tal e li­ber­da­de idem den­tro do PSDB e vem con­tan­do com apoio to­tal de seus dois ali­a­dos prin­ci­pa­is, o PTB e o PPS. Es­sa ali­an­ça é su­fi­ci­en­te pa­ra man­tê-lo com for­te pers­pec­ti­va de vi­tó­ria em ou­tu­bro des­te ano. Ao con­trá­rio do que ima­gi­na­vam seus ad­ver­sá­rios, Mar­co­ni so­ma nes­te mo­men­to 4 mi­nu­tos de TV, mes­mo tem­po de Van­der­lan Vi­ei­ra e um mi­nu­to me­nos que a co­li­ga­ção de Iris Re­zen­de. Ou se­ja, ele es­tá na bri­ga pe­la pon­ta.

E es­sa li­de­ran­ça na cam­pa­nha ele­trô­ni­ca es­tá sen­do ten­ta­da de for­ma pro­gres­si­va e bem es­tru­tu­ra­da. A de­fi­ni­ção do qua­dro es­tá nas mãos do DEM, que de­tém 1 mi­nu­to e meio de pro­pa­gan­da no rá­dio e na TV. Em ou­tras pa­la­vras, se os de­mo­cra­tas fe­cha­rem a ali­an­ça com os tu­ca­nos, Mar­co­ni irá pa­ra a dis­pu­ta elei­to­ral com o mai­or tem­po de cam­pa­nha ele­trô­ni­ca.

De­fi­ni­ção

Mas pa­ra qual la­do pen­de­rá o DEM? Di­fí­cil res­pon­der, mas é ine­gá­vel uma cer­ta ten­dên­cia fa­vo­rá­vel à ali­an­ça com o PSDB. Prin­ci­pal­men­te de­pois que o pre­si­den­te de­mo­cra­ta, de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­nal­do Cai­a­do, de­cla­rou pe­remp­to­ria­men­te que não vai im­por de­ci­são go­e­la abai­xo no par­ti­do. Ao con­trá­rio, ele dei­xou cla­ro que es­sa de­fi­ni­ção pas­sa­rá pe­las ba­ses do DEM.

Pe­lo me­nos até on­de se per­ce­be na par­te vi­sí­vel das ba­ses de­mo­cra­tas, é for­tís­si­ma a ten­dên­cia de re­a­pro­xi­ma­ção com os tu­ca­nos. Além da con­vi­vên­cia e da par­ce­ria vi­to­ri­o­sa no pas­sa­do com o PSDB, o DEM, des­de o seu mais al­to co­man­do no Es­ta­do até o ve­re­a­dor me­nos vo­ta­do na me­nor ci­da­de em que o par­ti­do con­quis­tou man­da­to, não tem tan­ta li­ga­ção po­lí­ti­ca com o PR de Van­der­lan e, prin­ci­pal­men­te, com o men­tor de sua can­di­da­tu­ra, o de­pu­ta­do San­dro Ma­bel.

Es­se, por si­nal, é mais um in­di­ca­ti­vo de que di­fi­cil­men­te o DEM vai se aco­plar aos in­te­res­ses po­lí­ti­co-elei­to­ra­is do PR. Ma­bel já per­ten­ceu ao de­mo­cra­ta e saiu de lá quei­man­do pon­tes. Is­so acon­te­ceu em 2002, quan­do o ho­je re­pu­bli­ca­no bus­cou le­gen­da após ter vi­vi­do al­guns anos no PMDB de Iris Re­zen­de Ma­cha­do. Ao jus­ti­fi­car por­que es­ta­va dei­xan­do o DEM após con­quis­tar man­da­to de de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo par­ti­do, Ma­bel me­tra­lhou po­li­ti­ca­men­te a li­de­ran­ça de Cai­a­do ao afir­mar que não se sen­tia bem den­tro de um par­ti­do que tem do­no.

Se Cai­a­do não tem a mí­ni­ma dis­po­si­ção de apo­i­ar Ma­bel, mes­mo que in­di­re­ta­men­te, é fá­cil ima­gi­nar pa­ra on­de as ba­ses de­mo­cra­tas irão apon­tar? Apres­sa­da­men­te, sim. Na prá­ti­ca, não. O Pa­lá­cio das Es­me­ral­das tem pro­me­ti­do um jo­go du­rís­si­mo pa­ra re­for­çar a can­di­da­tu­ra e a ali­an­ça em tor­no de Van­der­lan Vi­ei­ra. Is­so sig­ni­fi­ca que os pre­fei­tos e ve­re­a­do­res de­mo­cra­tas irão pas­sar por for­te pres­são po­lí­ti­ca nos pró­xi­mos dois mes­es. Pa­ra is­so, o go­ver­no faz o pos­sí­vel pa­ra ar­ru­mar di­nhei­ro em Bra­sí­lia. O pre­si­den­te Lu­iz Iná­cio Lu­la da Sil­va pro­me­teu en­cher os co­fres do Es­ta­do.

Con­fu­são

O pro­ble­ma nes­sa his­tó­ria to­da é um pou­co mais com­pli­ca­do. Iris Re­zen­de e o PMDB ten­dem a es­ti­mu­lar ações mais con­tun­den­tes de opo­si­ção aos in­te­res­ses do Pa­lá­cio co­mo for­ma de não per­mi­tir que a can­di­da­tu­ra de Van­der­lan con­si­ga pe­ne­trar com mais in­ten­si­da­de na ba­se lu­lis­ta. Até por­que is­so sig­ni­fi­ca­ria pre­ju­í­zos ime­di­a­tos à can­di­da­tu­ra de Iris, que já cor­re den­tro des­se ei­xo. Ou se­ja, quan­to mais o Pa­lá­cio for­çar a bar­ra em fa­vor de Van­der­lan, mais du­ra de­ve ser a opo­si­ção do PMDB, que po­de­rá con­tar in­clu­si­ve com apoio do pró­prio PT, di­re­ta­men­te in­te­res­sa­do no su­ces­so elei­to­ral de Iris. Mas por en­quan­to Van­der­lan es­tá li­vre pa­ra fa­zer o que qui­ser já que não re­pre­sen­ta ame­a­ça sé­ria aos do­mí­nios iris­tas den­tro do pro­ces­so su­ces­só­rio.

Is­so re­ve­la co­mo es­tá sen­do di­fí­cil pa­ra a cha­ma­da terceira gran­de can­di­da­tu­ra con­se­guir se fir­mar. E não é só no gran­de ce­ná­rio que es­sas di­fi­cul­da­des es­tão pre­sen­tes. No va­re­jo in­ter­no a coi­sa tam­bém não vai na­da bem. O PP, por exem­plo, on­de o Pa­lá­cio das Es­me­ral­das po­de­ria, em te­se, fa­zer e acon­te­cer, re­be­lou-se de ma­nei­ra ab­so­lu­ta­men­te cla­ra e qua­se to­dos os pre­fei­tos da si­gla fo­ram ao en­con­tro do se­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo tão lo­go Van­der­lan foi lan­ça­do can­di­da­to à su­ces­são de Al­ci­des Ro­dri­gues.

Al­gu­mas li­de­ran­ças do PP tra­ta­ram de bo­tar pa­nos quen­tes na re­be­li­ão, mas não deu pra es­con­der o ta­ma­nho da en­cren­ca. Com uma sin­ce­ri­da­de es­pan­to­sa, o se­cre­tá­rio-ge­ral do PP, Sér­gio Lu­cas, du­ran­te de­ba­tes pro­mo­vi­dos no pro­gra­ma Pau­lo Be­ringhs, pe­la TV Go­i­â­nia, do­min­go, 4, foi ab­so­lu­ta­men­te cla­ro ao abor­dar es­se te­ma. Com pro­pri­e­da­de, Lu­cas dis­se que os pre­fei­tos fo­ram pa­ra o ou­tro la­do, e que há so­men­te uma ma­nei­ra de tra­zê-los de vol­ta: con­ver­san­do.

Es­sa, no fun­do, é a gran­de ques­tão a ser re­sol­vi­da pe­lo Pa­lá­cio e pe­lo pró­prio Van­der­lan: fa­zer po­lí­ti­ca. Nin­guém en­tra e tra­ba­lha num pro­je­to on­de não exis­ta cum­pli­ci­da­de e com­pro­mis­sos de um la­do e do ou­tro. É exa­ta­men­te es­te o ca­so. O lan­ça­men­to da can­di­da­tu­ra de Van­der­lan po­de ter aten­di­do mui­to mais aos in­te­res­ses de Ma­bel e de seu co­man­do jun­to ao PR do que à ba­se pa­la­cia­na co­mo um to­do. Ou se­ja, Ma­bel não ti­nha na­da pa­ra ofe­re­cer nu­ma gran­de me­sa de ne­go­ci­a­ções. Ago­ra tem. E o Pa­lá­cio das Es­me­ral­das em­bar­cou nes­sa tam­bém pe­la con­ve­niên­cia den­tro de seus de­sen­con­tros com o PSDB. Sem Van­der­lan não ha­via na­da. O pro­ble­ma é que con­ti­nua não ha­ven­do na­da, nem mes­mo o apoio da mai­o­ria dos pre­fei­tos e di­re­tó­rios mu­ni­ci­pa­is pe­pis­tas a es­se pro­je­to elei­to­ral.

A re­a­ção do ex-de­pu­ta­do fe­de­ral e pre­si­den­te do PP, Sér­gio Cai­a­do, de es­pa­lhar ame­a­ças de in­ter­ven­ção e, em ca­sos ex­tre­mos, tal­vez até de ex­pul­são do par­ti­do àque­les que não se ali­nha­rem au­to­ma­ti­ca­men­te com Van­der­lan, dá con­tor­nos da exa­ta di­men­são da cri­se in­ter­na. O pro­ble­ma é re­al e mui­to sé­rio. E o que se tem fei­to pa­ra ame­ni­zar es­sa si­tu­a­ção? Ou pou­co, ou na­da.

Na ver­da­de, as ações de Mar­co­ni Pe­ril­lo e de Iris Re­zen­de den­tro do pro­ces­so elei­to­ral têm si­do mui­to mais con­sis­ten­tes. Van­der­lan, a ri­gor, não con­se­gue na­ve­gar em águas cal­mas nem den­tro do seu par­ti­do, o PR. Pe­lo con­trá­rio, é pro­vá­vel que fal­te a ele al­gum ou­tro apoio tão pes­so­al e de­di­ca­do co­mo o de San­dro Ma­bel den­tro do pró­prio PR.

Es­se pa­no­ra­ma ge­ral in­di­ca que nes­te mo­men­to a si­tu­a­ção de Van­der­lan Vi­ei­ra é tão com­pli­ca­da quan­to sem­pre foi. Ele te­rá que fa­zer al­go que ain­da é meio mis­te­ri­o­so pa­ra ele, po­lí­ti­ca. Seu prin­ci­pal ali­a­do, o Pa­lá­cio das Es­me­ral­das, não tem mui­to o que ofe­re­cer nes­se que­si­to, já que igual­men­te pa­re­ce se pre­o­cu­par mais em ame­a­çar quem é de ca­sa, mas des­con­ten­te, do que con­ver­sar. Por fim, o pró­prio co­man­do do PR não é exa­ta­men­te um su­pra-su­mo da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca.

Já os dois prin­ci­pa­is con­cor­ren­tes ao go­ver­no, Mar­co­ni e Iris, pre­ci­sam so­men­te evi­tar ares­tas e man­ter o cur­so atu­al. E pre­pa­ra­rem-se pa­ra, se for o ca­so, re­co­lher os náu­fra­gos do pro­je­to PR/Pa­lá­cio das Es­me­ral­das. Po­de ser uma ope­ra­ção ne­ces­sá­ria fu­tu­ra­men­te.

Nenhum comentário:

Postar um comentário