quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

População de Senador Canedo ganha dois novos PSFs

Mesmo com todos os esforços para conter o avanço da dengue em Senador Canedo a perspectiva da Secretaria Municipal de Saúde para o próximo período chuvoso é preocupante. A explicação é simples: a população tem se descuidado no combate aos focos do mosquito, o que pode provocar aumento substancial no número de casos em 2010.

A constatação tem caráter oficial. Em praticamente todos os casos registrados os focos de procriação do mosquito foram encontrados nas casas dos doentes, o que mostra a falta de comprometimento efetivo da população com a doença. De acordo com a secretária municipal de Saúde, Gercilene Ferreira, o canedense tem que ser parceiro do poder público para que as ações tenham o efeito esperado.

Por parte da Saúde, são realizadas diariamente mais de mil visitas domiciliares. São 44 agentes que fazem a cobertura de toda a cidade a cada 60 dias. No período das chuvas ou onde a incidência se revela maior, o trabalho é intensificado. Em caso de ocorrência da doença é enviada uma equipe da Secretaria de Saúde para orientar o paciente e eliminar os focos na região.

Além do trabalho de limpeza são realizadas também diversas campanhas educativas visando orientar os moradores, além de palestras em escolas, postos de saúde e creches, fixados cartazes e distribuídos panfletos.

Por conta da atenção contínua, diferentemente dos municípios vizinhos, que vêm enfrentando surto da doença, Senador Canedo não registra uma morte há pelo menos seis anos. "Nós vamos fazer de tudo para que nossa cidade não chegue a esse ponto, até o momento estamos controlados, mas a população precisa cooperar mais", afirma Marilda Maria da Silva Luz, responsável pelas ações de combate à dengue.

Números
Em 2009 os números que indicam a incidência da doença apresentaram uma queda significativa em relação ao ano anterior. Foram 275 pessoas contaminadas em 2009 frente a 488. Entretanto os números de 2010 já apresentam alta em relação ao mesmo período do ano passado.

As estatísticas oficiais serão divulgadas até a sexta-feira (15), mas de acordo com Marilda Maria da Silva Luz, enquanto no ano passado a maioria dos bairros apresentou índice zero de infestação, somente no início deste, todos apresentaram alguma infestação do mosquito.

Os dados apurados esse ano mostram que o índice de infestação no município chega a 2,4%, o que configura situação de médio risco. A pior situação foi a encontrada no setor Vale das Brisas, com 18,5% de infestação, seguido do Residencial Pedro Miranda (12), Setor Central (11,7), Parque Industrial (11,1), Residencial Buriti (10), e o setor Morada do Morro (8,2). O índice aceitável pelo Ministério da Saúde e de 1%.

Há casos em que em apenas uma quadra 90% dos moradores contraíram a Dengue. A rede de saúde municipal registrou cerca de 80 casos suspeitos da doença esse ano e a incidência pode ser ainda maior, já que muitas pessoas não procuram a unidade de saúde, o que pode ser um risco para o paciente.

Site:O Cidadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário