segunda-feira, 16 de março de 2009

Essa tal felicidade

Aprendi que o tempo não é medida para a felicidade. A cada dia devemos viver,sem esperar nada do amanhã e sem cobrar nada do ontem .O futuro é só uma miragem,enquanto o passado,um emaranhado de lembranças.Há tempos que especialistas buscam respostas sobre o que é a felicidade .A preocupação em torno dessa questão é tamanha que atualmente os livros mais vendidos no mundo são os de “auto-estima”. Estes são, de certa forma,regras e normas manuscritas,que tentam ensinar como ser mais feliz.
Por que e tão difícil responder a um pergunta tão simples : você é feliz? Nem Freud em suas infinitas teorias sobre comportamento humano seria capaz de explicar.Pois a mente humana está muita além de meros conceito e suposições como se fosse receita de bolo.Por que,com o passar do tempo,em conseqüência das próprias atitudes e escolhas do homem,o sentido de “viver” confundiu-se com o de “sobreviver” e conturbou a mente daqueles que buscam a diferença entre ser e estar.

o ponto mais critico dessa busca pela felicidade é quando passamos a medi-la não pelo que temos e sim pelo que nos falta.
O relacionamento interpessoal e, principalmente,conjugal é um reflexo soberbo disso.As pessoas,cada vez mais exigentes com o próximo,jogam fora oportunidades que nunca mais poderão reviver.Nessa busca incessante pela felicidade esquecemos quantas vezes fomos felizes.Para ser feliz com outra pessoa ,você precisa, em primeiro lugar,não precisar dela.

Talvez o erro esteja em acreditar e buscar a felicidade nas pessoas, coisas,posições sociais,colunas de jornais,e não onde menos imaginamos que ela esteja, dentro de cada um.É preciso se amar primeiro para quem sabe depois amar alguém.Não existe felicidade plena e sim momentos que são únicos e não voltam, e que por isso exigem que vivamos como se não houvesse amanhã, já cantava Renato Russo em suas canções.Luiz Fernando Veríssimo disse que a tristeza pode ser intensa , mais jamais será eterna.E a felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para ficar e não esteja apenas de passagem.

Quantas pessoas sofrem de dor de amor no mundo? Esta foi a indagação que fiz há pouco tempo .Que sofre por amor, ou pela falta dele,tem outros setores da vida comprometidos, principalmente o profissional e o social.Como efeito cascata, quem está com o coração machucado tem medo de outros relacionamentos e, na tentativa de dar um tempo,acaba se anulando e se esquecendo. Quem tem experiência nestas dores não sabe mensurar qual delas e mais doída: a de ter um amor não correspondido ou a dor de um amor bandido, que trai, humilha, que usa e faz chorar.

Há pessoas que dizem “eu te amo” de forma gratuita, como dizem’bom dia”. Talvez as dores de amor tenham virado epidemia! Não sofro disso no momento.Lembrei-me apenas das lágrimas que já derramei nesta vida.Há pouco tempo presenciei o sofrimento de amigas, que o trouxe recordações ruis. Lembranças de palavras que deveriam ter sido ditas e dos beijos que não foram dados.Perdoem-me a redundância gramatical,mas o amor é isso quando a felicidade termina só resta uma dor doída dentro do coração e da alma de cada um.

POR:Ariana Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário